Financial Update (Segundo Trimestre de 2005)



Os Serviços FedACH Aumentam a Velocidade das Remessas dos Estados Unidos para o México

Inglés  |  Espanhol

A partir de julho, a disponibilidade dos fundos relativos a pagamentos feitos dos Estados Unidos para o México, via câmara de compensação automatizada (ACH) por meio do Serviço FedACH International SM- México, diminuirá de dois para um dia. Essa melhoria não implicará nenhum custo adicional às instituições financeiras.

Mudanças institucionais não serão necessárias
“Reduzir o tempo de processamento da ACH e tornar os fundos disponíveis com maior rapidez constitui benefício significativo para as instituições financeiras, seus clientes e clientes corporativos,” disse Richard Oliver, vice-presidente executivo do Federal Reserve Bank de Atlanta e gerente do Departamento de Pagamentos a Varejo do Federal Reserve. “É importante ressaltar que não serão exigidas das instituições financeiras, que atualmente prestam esse serviço, quaisquer mudanças para receber tal benefício.”

Qualquer conta bancária no México será acessível
Por meio do Serviço FedACH International SM - México, os bancos do Sistema do Federal Reserve e o Banco de México—banco central mexicano—trabalham em cooperação na prestação de serviços ACH de compensação de pagamentos entre instituições financeiras nos Estados Unidos e no México. O serviço lançado em fevereiro de 2004 possibilita a remessa de pagamentos dos Estados Unidos para qualquer conta bancária no México. Atualmente, o serviço processa cerca de 23.000 pagamentos por mês - via ACH - entre pagadores nos Estados Unidos e receptores no México.

Matérias Relacionadas
O FED anuncia melhorias no sistema ACH Internacional
Artigo sobre o crescimento do volume de remessas para o México ( EconSouth - 3º trimestre de 2004)
Artigo sobre os padrões de remessas usados pelos imigrantes ( Economic Review - 1º trimestre de 2005)

Os pagamentos dos Estados Unidos para o México são cada vez mais procurados. Com base nas estimativas do Banco de México, as remessas pessoais de pagamentos entre os dois países aumentaram de cerca de U.S.$13 bilhões, em 2003, para mais de U.S.$16 bilhões, em 2004.

Retornar ao artigo