A Dinâmica Comercial e a China, 1ª Parte: Os Estados Unidos - Português

28 de janeiro de 2016

flags of China and the United States

Nota do Editor: Este artigo tambèm está disponível em Inglês e Espanhol.

Em agosto de 2015, os mercados financeiros em todo o mundo reagiram fortemente quando a China começou a dar sinais de desaceleração econômica. Em janeiro de 2016, os mercados financeiros enfraqueceram-se mais uma vez, quando as ações chinesas caíram drasticamente depois de mais uma desvalorização do Yuan. Além disso, estoques abundantes de petróleo e constantes preocupações com o fraco crescimento econômico da China afetaram negativamente os já letárgicos preços do petróleo e aumentaram a preocupação global com a futura demanda de petróleo.

De fato, as incertezas vistas no mercado financeiro desde o início do ano refletem, em parte, as preocupações dos investidores com o desempenho econômico da China e com a extensão de sua integração financeira e econômica com os Estados Unidos. Em sua declaração de 27 de janeiro, o Comitê de Operações de Mercado Aberto, órgão formulador de políticas do Federal Reserve declarou que está "... monitorando de perto os acontecimentos econômicos e financeiros globais e avaliando suas implicações em relação ao mercado de trabalho e a inflação e, também, ao equilíbrio dos riscos para o panorama."

Então, quão atrelado ao desempenho econômico da China está o desempenho da economia dos EUA e, de fato, o desempenho das economias em todo o mundo? Esta série de artigos, dividida em três partes, irá lançar alguma luz sobre a dinâmica comercial entre a China e o resto do mundo. A 1ª Parte aborda esta questão sob duas perspectivas distintas: a exposição comercial direta (importações/exportações) e indireta (importações/exportações dos principais parceiros comerciais dos EUA com a China) dos Estados Unidos em relação à China. A 2ª Parte fornece uma visão mais ampla da participação das importações e exportações chinesas no mercado mundial. A 2ª Parte aborda, também, os tipos de mercadorias comercializadas em todo o mundo. Por fim, a 3ª Parte quantifica as relações das dinâmicas comerciais entre os Estados Unidos e o resto do mundo comparando-as com o comércio global da China.

O crescimento da China como um parceiro comercial

Durante quase duas décadas, a China tem estado na lista dos 10 principais parceiros comerciais dos EUA. Conforme demonstrado na tabela 1, as participações da China nas importações e exportações dos EUA mais do que dobraram desde o final dos anos 90. Por exemplo, produtos e commodities importados da China aumentaram de aproximadamente 8% das importações de mercadorias dos EUA em 1999 para 20% em 2014. Da mesma forma, as exportações dos EUA para a China cresceram de cerca de 2% em 1999 para 8% em 2014. Aproximadamente, 1% das importações dos EUA para a China foi re-exportada entre 1999 e 2014. Este artigo considera o valor de face das importações e exportações, sem levar em consideração as mercadorias re-exportadas e re-importadas.

O fornecimento de mão-de-obra barata tem sido, há tempos, a maior vantagem competitiva da China no comércio mundial. Durante anos, a China tendeu a importar mercadorias de capital intensivo e matérias-primas dos Estados Unidos e exportar uma cesta diversificada de mercadorias acabadas.

A tabela 2 demonstra o percentual de commodities chinesas importadas dos e exportadas para os Estados Unidos em 2014 (decomposto em um sistema harmonizado - Harmonized System de 2 dígitos ou HS-2). Observem que as exportações de equipamentos elétricos e máquinas (principalmente computadores e telefones) da China são muito diferentes dos equipamentos elétricos e máquinas que a China importa (principalmente circuitos eletrônicos integrados e turbojatos, turbopropulsores e outras turbinas a gás).

Além disso, é importante também avaliar a relação entre a China e os principais parceiros comerciais dos Estados Unidos para entender melhor a exposição indireta dos exportadores dos EUA à China. A tabela 3 classifica os 10 maiores mercados de exportações dos EUA em 1999 e 2014 por percentual total de exportações dos EUA em cada um desses anos. A tabela 4 contém a lista dos 10 principais parceiros comerciais medidos por sua participação no total das importações dos EUA em 1999 e 2014.

A tabela 5 mostra o percentual do total de exportações que vai para a China a partir de cada um dos principais parceiros comerciais dos EUA, e a tabela 6 mostra o percentual de importações provenientes da China. Tanto a participação no total de exportações, quanto a participação nas importações aumentaram significativamente nas últimas décadas.

Devido à forte ligação geográfica e política entre a China e Hong Kong, não é de se surpreender que em 2014, 53,9% do total das exportações de Hong Kong foram para a China e 47,8% do total das importações de Hong Kong vieram da China. Embora a dependência comercial do Japão por parte da China tenha diminuído ao longo do tempo, o Japão ainda depende do comércio com a China – no ano passado, aproximadamente um quinto das importações e das exportações foi com a China. Da mesma forma, cerca de um quarto do comércio internacional da Coreia do Sul (também conhecida por República da Coreia) foi com a China.

Canadá e México são o segundo e terceiro maiores parceiros comerciais dos Estados Unidos e também seus dois principais mercados de exportação. O comércio entre o Canadá e a China aumentou ao longo dos anos, mas representa apenas uma pequena proporção de seu comércio total: em 2014, as importações foram 11,5% e as exportações apenas 3,7%. Os exportadores do México são ainda menos dependentes da China – as exportações do país para a China responderam por menos de 2% do total de suas exportações. Por outro lado, as importações da China, feitas pelo México, aumentaram de 0,3% em 1980 para 16,6% em 2014.

A perspectiva da China

Desde o ano 2.000, os Estados Unidos têm figurado entre os cinco principais parceiros comerciais da China. Ao longo dos últimos 15 anos, a participação dos Estados Unidos no comércio com a China teve uma leve queda. Em 2014, os Estados Unidos responderam por 8% do total de suas importações. Naquele ano, as exportações da China para os Estados Unidos representaram 17% do total das exportações da China.

A Tabela 7 mostra as exportações da China para os 10 principais mercados de exportação dos Estados Unidos. No ano 2.000, esses países representaram 50% do total das exportações da China; esse número caiu para 38,6% em 2014, conforme a China diversificou seus mercados de exportação (de acordo com o Banco Mundial, o índice Hirschman Herfindahl2, que mede a dispersão do valor comercial entre os parceiros de um exportador, foi de 0,08 em 2014.)

A Tabela 8 mostra as importações da China provenientes dos 10 maiores parceiros comerciais dos Estados Unidos. As importações do Canadá, França, Coreia do Sul e Reino Unido como participação no total das importações da China diminuiu ao longo dos anos passando a ser, em 2014, 1,1%, 1,4%, 9,7% e 1,2%, respectivamente . A participação das importações do Japão também caiu. Enquanto isso, a participação das importações da China provenientes da Alemanha, índia e México aumentou consideravelmente de 2.000 para 2014. No total, esses 10 países representaram 40% do total das importações da China no ano 2.000, caindo para 31% em 2014.

Com o desenvolvimento econômico, houve, na China, uma mudança dos tipos de produtos consumidos por seus cidadãos. As tabelas 1 e 2 mostram as duas principais commodities HS-4 comercializadas entre a China e os principais parceiros comerciais dos EUA listados nas tabelas 5 e 6.

A Tabela 1 mostra os principais produtos e commodities importados pela China de vários países selecionados, juntamente com seus percentuais no total das importações chinesas por país e por ano. Por exemplo, em 2014, o petróleo representou, aproximadamente, 76% das importações da China provenientes da Arábia Saudita.

Table 1: China's Top Two Imports from U.S. Major Trade Partners (2000 and 2014)

Partner

2000

2014

Brazil

Soya beans

88.8

Soya beans

36.2

Soya bean oil

5.6

Ores, slag, and ash

34.8

Canada

Rape or colza seeds

39.3

Commodities not specified

16.3

Wheat and meslin

14.9

Rape or colza seeds

9.8

France

Barley

29.4

Aircraft

26.4

Rape or colza seeds

24.1

Pharmaceutical products

4.1

Germany

Rape or colza seeds

52.2

Motor cars and vehicles

16.1

Starches, inulin

6.6

Motor vehicle parts

9.6

Hong Kong3

Confectionery sugar

13.1

Copper waste and scarp

11.5

Lard

11.4

Precious stones

6.5

Italy

Chocolate

51.7

Pharmaceutical products

8.3

Wine

25.8

Motor cars and other motor vehicles

4.7

Japan

Condiments

23.2

Electrical machinery and equipment

7.5

Fish

19.0

Motor cars and other motor vehicles

5.3

Rep. of Korea

Mollusks

37.9

Electronic integrated circuits

26.4

Sugar

13.2

Optical, photographic

9.3

Mexico

Beer

61.6

Motor cars and other motor vehicles

17.6

Mollusks

14.8

Electrical machinery and equipment

15.5

Netherlands

Beer

30.1

Mineral fuels, mineral oils

13.0

Pork

9.6

Machinery

7.7

Saudi Arabia

Crustaceans

91.8

Oil

76.2

Horses

6.8

Acyclic alcohols and their derivatives

8.1

India

Fish

36.4

Copper and articles thereof

14.3

Vegetable fat

16.4

Natural or cultured pearls

13.7

Singapore

Beer

15.0

Electronic integrated circuits

18.2

Margarine

11.8

Mineral fuels and mineral oils

12.0

United Kingdom

Meat

27.0

Motor cars and other motor vehicles

43.4

Liqueur

10.9

Mineral fuels and mineral oils

4.3

Source: United Nations Comtrade

Da mesma forma, a Tabela 2 mostra os principais produtos e commodities exportados pela China para vários países selecionados, juntamente com seus percentuais no total das exportações chinesas por país e por ano. Em 2014, por exemplo, aproximadamente 7% das exportações da China para o Canadá foram computadores e 6% eletrônicos.

Table 2. China's Two Major Exports to U.S. Major Trade Partners (2000 and 2014)

Partner

2000

2014

Canada

Trunks, suitcases

4.53

Computers

6.93

Office machine parts

4.34

Electrical machinery

6.25

France

Computers

4.99

Electrical machinery

5.51

Trunks, suitcases

4.30

Computers

4.94

Germany

Radios, televisions

5.60

Computers

11.98

Computers

4.61

Electrical machinery

4.23

Hong Kong

Office equipment

4.24

Electrical machinery

15.92

Computers

3.51

Precious metal

12.24

Japan

Women's clothes

4.26

Computers

6.45

Jerseys, pullovers

3.84

Telephone sets

6.42

Mexico

Office machine parts

4.15

Telephone sets

9.41

Radio

3.97

Optical, photographic

9.22

Netherlands

Computers

24.55

Computers

23.98

Office machine parts

4.26

Telephone sets

11.62

Saudi Arabia

Women clothes

5.65

Telephone sets

3.76

Suits

5.22

Furniture

3.38

United Kingdom

Computers

7.73

Computers

8.95

Toys

3.49

Telephone sets

5.60

Brazil

Computers

6.51

Telephone sets

5.18

Retort carbon

4.37

Optical, photographic

3.17

Italy

Trunks, suitcases

3.68

Computers

5.70

Wool and animal fur

3.60

Electrical machinery

4.71

India

Retort carbon

9.06

Telephone sets

6.31

Raw silk

7.73

Computers

4.43

Singapore

Office machine parts

9.74

Electronic integrated circuits.

8.57

Petroleum oils

8.97

Petroleum oils

8.14

Source: United Nations Comtrade

De acordo com essas tabelas, as exportações da China para os principais parceiros comerciais dos EUA são principalmente máquinas e eletrônicos, enquanto suas importações são de recursos naturais e maquinário. Os tipos de commodities comercializados entre a China e os principais parceiros comerciais dos Estados Unidos mudaram desde o ano 2.000, quando a China importava principalmente alimentos e exportava equipamentos de escritório e roupas.

A importância econômica da China

A China é o principal parceiro comercial dos EUA. A China é, de longe, a maior fonte de mercadorias importadas pelos Estados Unidos, bem como uma destinação, cada vez mais importante, para os produtos fabricados nos EUA. Os outros grandes parceiros comerciais dos Estados Unidos também se tornaram, ao longo dos anos, cada vez mais dependentes da economia da China.

Por isso, uma desaceleração nas atividades econômicas da China poderia afetar fortemente o comércio internacional e proporcionar um choque negativo aos Estados Unidos. Evidentemente, o comércio não é o único canal por meio do qual a desaceleração da China poderia conter o crescimento econômico dos Estados Unidos. Uma série de outros mecanismos dinâmicos (incluindo a volatilidade do mercado financeiro, a confiança dos consumidores e das empresas e as taxas de juros) também poderia afetar o crescimento dos EUA.

A 2ª Parte irá analisar o comércio internacional da perspectiva da China, explorando a importância relativa para a China dos principais parceiros comerciais dos EUA, classificando-os conforme sua participação no total das importações e exportações da China e incluindo uma descrição mais detalhada dos tipos de mercadorias mundialmente importadas e exportadas.

A 3ª Parte irá quantificar o volume de exportações e importações de e para outros países que tem sido absorvido pela China e pelos Estados Unidos ao longo de décadas. O objetivo é comparar as relações comerciais entre o mundo e os Estados Unidos com a relação entre o mundo e a China.

By Por Giulia Zilio, assistente de pesquisa do Departamento de Pesquisa do Federal Reserve Bank de Atlanta e candidata a PhD pela Georgia State University

1 Re-exportações são exportações de mercadorias estrangeiras no mesmo estado que importadas anteriormente, sem serem transformadas ou modificadas. Grande percentual das importações dos EUA provenientes de Hong Kong tem sido re-exportadas de volta para Hong Kong. A China não re-exporta mercadorias para os Estados Unidos. No entanto, reimporta grandes quantidades de mercadorias de Hong Kong. Isso não é de se surpreender já que Hong Kong mantém relações menos restritivas com a China, ao mesmo tempo em que é aberta ao comércio internacional. Isto é, Hong Kong representa o "intermediário" da China no comércio de mercadorias e controle de investimentos estrangeiros diretos.

2 Um país com comércio (exportação ou importação) concentrado em poucos mercados terá um valor de índice próximo a um. Da mesma forma, um país com uma carteira comercial perfeitamente diversificada terá um índice próximo a zero.

3 27,9 por cento das importações da China de Hong Kong em 2014 foram produtos não especificado.